sexta-feira, 13 de maio de 2011

Wagner Moura define ‘A Cadeira do Pai’ como um ‘filme para gente grande’


Wagner Moura é figura carimbada em Paulínia. Ele já marcou presença na pré-estreia nacional de “Tropa de Elite 2”, o filme de maior bilheteria do cinema nacional da história, já gravou “O Homem do Futuro”, comédia de Cláudio Torres que estréia esse ano e agora participa das filmagens de “A Cadeira do Pai”, primeiro longa do diretor Luciano Moura. E depois de viver personagens fortes, como o Coronel Nascimento, ou engraçados, como o cientista Zero, ele embarca em um filme mais autoral e introspectivo.

“A Cadeira do Pai”, primeiro filme dos contemplados pelo edital da Cultura de 2010 a gravar no Polo Cinematográfico, foi definido pelo ator como um filme para “gente grande”. “Fiquei apaixonado pelo roteiro assim que eu o li”, confessou Wagner, durante coletiva de imprensa. A história gira ao redor de Théo (Wagner Moura) e Branca (Mariana Lima), casal que está prestes á se separar quando o filho foge de casa. Théo, então, parte em busca do filho, transformando-se a si mesmo durante as buscas.



Conforme frisou Wagner, “A Cadeira do Pai” não se encaixa nos gêneros que o cinema nacional tanto têm produzido na atual leva de produções, como aqueles que mostram a situação social do país, como “Cidade de Deus”, “Última Parada 174” ou o próprio “Tropa de Elite”. Segundo ele, o longa de Luciano se encaixa num gênero que tem crescido nos últimos anos, o de filmes mais intimistas.

Muito mais autoral do que os últimos filmes nos quais o ator contracenou, “A Cadeira do Pai” pretende-se emocionar o espectador, nas palavras do diretor, “com um roteiro mais denso, focado nos personagens principais”, dando ao longa uma densidade emocional maior. Com pequenas adaptações no roteiro original – aquele que apaixonou Wagner e fez com que o ator escolhesse aceitar o convite para filmá-lo, o longa se encaixou perfeitamente ao Polo Cinematográfico da cidade.

“Claro que quando pensamos no roteiro do filme, não havíamos pensado em Paulínia”, afirmou Luciano. “Mas com o edital, fizemos algumas alterações básicas e tudo se encaixou como uma luva”. Já foram três semanas de gravações em Paulínia e região, e a produção fica na cidade até a próxima semana. O custo total do longa é de cerca de R$5 milhões, dos quais R$1 milhão vieram do município.

Carreira Internacional



Tanto sucesso no cinema nacional, claro, chamou a atenção dos estúdios de Hollywood para o talento de Wagner Moura. Logo após as filmagens de “A Cadeira do Pai”, o ator vai gravar seu primeiro filme em solo americano: “Elysium”, do diretor Neill Blomkamp de “Distrito 9” (que concorreu ao Oscar de Melhor filme em 2010), terá, além de Wagner no papel do vilão da história, os atores Matt Damon e Jodie Foster como protagonistas. A Sony Pictures definiu a estréia: em 8 de março de 2013.

A trama se passará 100 anos no futuro, em outro planeta, e tem metáforas políticas, como “Distrito 9”, embaladas num filme de ação. A pré-produção começa em abril e as filmagens estão previstas para julho, em Vancouver, e depois, entre setembro e outubro, na Cidade do México. “É um bom filme, com diretor bom, roteiro bom e personagem bacana. Aceitei na hora”, explicou Wagner, que confessou nunca ter pretensões de atuar no cinema internacional. “Aconteceu e eu estou super feliz”.

Fonte: Jornal de Paulínia

1 COMENTE! :

marciona disse...

melhor filme ja vsto naum vi
mas ja posso disser