terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Crítica: Longa com Wagner Moura fracassa ao tentar amarrar pontas desconexas

Vigaristas costumam ser bons personagens no cinema. Quando interpretados por bons atores, a chance de cairem nas graças do público é grande. Foi assim com o personagem interpretado por Leonardo DiCaprio em "Prenda-me Se For Capaz", de Steven Spielberg. Foi assim também em Tiradentes na noite deste domingo (23), quando Wagner Moura, no filme "VIPs", de Toniko Melo, arrancou aplausos entusiasmados da plateia que lotou o principal local de exibição da pequena cidade por ter interpretado Marcelo, personagem real que poucos anos atrás se passou por um dos filhos do dono da empresa aérea Gol.

É muito bem produzido no que diz respeito ao trabalho de som (que a excelente projeção do Cine Tenda permitiu que percebêssemos), mas tem sérios problemas no roteiro escrito por Melo e Bráulio Mantovani (o mesmo dos dois "Tropa de Elite"). O principal é o caráter esquizofrênico de Marcelo, que nem sempre encontrou a melhor interpretação do ótimo Wagner Moura, e raramente conseguiu se manter verossímel dentro da frágil espinha dorsal da narrativa.


Wagner Moura interpreta o enganador que se passou por herdeiro de companhia aérea e até deu entrevistas para programas de televisão


Marcelo aprendeu a pilotar aviões e trabalhou no contrabando na fronteira do Brasil

Pôster de "VIPs" mostra Wagner Moura em vários disfarces. Direção de Toniko Melo

"VIPs" levou alguns prêmios no Festival do Rio 2010. A estreia está prevista para 25 de março

Amaury Jr. faz uma participação em "VIPs". O apresentador de televisão foi uma das pessoas enganadas por Marcelo

Amaury Jr. faz uma participação em "VIPs". O apresentador de televisão foi uma das pessoas enganadas por Marcelo

Algumas soluções da trama, especialmente na metade final, são risíveis de tão mal resolvidas, e adiantar alguma coisa aqui pode atrapalhar mais ainda a experiência do espectador. Vale dizer apenas que os acontecimentos já não são muito criveis (o que não seria um problema), e ainda recebem um tratamento que parece ter saido de algum exercício escolar.

Contudo, a plateia de Tiradentes aprovou, e o longa deve fazer certo sucesso no circuito, ajudado pela máquina da distribuidora Universal e pelo carisma do ator. Mas não se enganem, é mais um subproduto disfarçado de cinemão que dá as caras em nossa cinematografia pródiga em subprodutos.

No cinema mais experimental, a sorte é a mesma

Em chave completamente oposta, "A Alegria", de Felipe Bragança e Marina Meliande, tenta entender os adolescentes com uma estética forte, calcada em Robert Bresson (é difícil não lembrar de "Mouchette", filme de 1967) e Apichatpong Weerasethakul (ecos de "Mal dos Trópicos" na parte final, e uma incrível similaridade com o recente "Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas", que ganhou o mesmo festival de Cannes em que "A Alegria fez sua estreia mundial). Termina soando mais como Esmir Filho em seu desastrado longa "Os Famosos e os Duendes da Morte".

Talvez o grande problema do filme de Bragança e Meliande seja a pretensão. No cinema de Apichatpong as coisas acabam soando naturais, por um desses milagres de sua direção, e mesmo que sua carreira tenha tido um leve declínio, a despeito de um prêmio atrasado em Cannes, por um filme menos pungente em sua carreira, muitas de suas imagens têm força inegável.

Em "A Alegria" fica difícil se interessar por qualquer um dos personagens. São quatro adolescentes à procura da felicidade e da resolução de alguns mistérios, como todo adolescente que se preze, mas seus gestos bressonianos teminam por brigar com o tom do filme - que parece buscar uma ternura maior do que é capaz de alcançar. Uma pena, pois alguns planos são fortes, e existem raros momentos de respiro, soterrados por grossas camadas de loucura compulsória, aquela que está ali por cálculo, não por risco verdadeiro.

Fonte: Uol

1 COMENTE! :

Aline disse...

o filme dever ser bom sim