quarta-feira, 6 de outubro de 2010

'VIPs' é o melhor filme do Festival do Rio

O grande vencedor da noite na festa de premiação do Festival do Rio, na noite de terça-feira, no Cine Odeon, foi o longa 'VIPs', de Toniko Melo, estrelado por Wagner Moura. O filme, que faturou quatro troféus - incluindo o de melhor filme de ficção pelo júri - e mais 40 mil reais em prêmios, é baseado na história real de Marcelo Nascimento, um golpista que chegou a se passar pelo filho do dono de uma das maiores companhias aéreas do Brasil.

'VIPs' ainda conquistou três das quatro categorias destinadas aos atores. Wagner Moura levou o troféu Redentor de Melhor Ator, mas coube ao diretor Toniko Melo representá-lo, já que o intérprete do Capitão Nascimento estava em Paulínia, no interior de São Paulo, para a pré-estreia de Tropa de Elite 2. Os prêmios de atriz e ator coadjuvantes ficaram com Gisele Fróes e o argentino Jorge D'Elía, ambos do elenco de VIPs.

"Pela atuação do Wagner, eu já esperava uma premiação. A Gisele (Fróes) também estava maravilhosa. Mas o que me deixou muito feliz foi o prêmio do D'Elía. Vocês não têm noção. Ele é uma entidade na Argentina, um espécie de Paulo Autran de lá. Foi uma honra trabalhar com ele", disse o diretor, acrescentando que adora dirigir atores. "Me dou bem com eles. Acho que tenho um pé na loucura dos atores."


Outro forte concorrente ao principal prêmio da noite era Riscado, de Gustavo Pizzi. O filme - que foi o filme mais aplaudido pela plateia durante o clipe que apresentou os concorrentes - rendeu o troféu de Melhor Atriz a Karine Teles por sua atuação no papel de Bianca, uma atriz que luta para sobreviver de sua arte.


O bom humor da premiação, que ficou a cargo dos atores Déborah Bloch e Vladimir Brichta, acabou deixando o prefeito do Rio, Eduardo Paes, sem graça. Ao longo de todo o evento, a apresentadora brincou com o fato de o festival ser um ambiente fértil para fazer contatos e conseguir bons papéis no cinema nacional. Ao subir no palco para entregar o prêmio principal a 'VIPs', Paes tentou fazer piada dizendo que, "apesar da RioFilme ser independente, o prefeito é sempre um bom contato". Essa foi a deixa para a atriz fazer um lobby pelo teatro, que ela classificou como o primo pobre do cinema. "Que tal resgatarmos o Teatro da Glória?", atacou. Paes ensaiou uma reação, enumerando medidas como a compra do Teatro de Ipanema - mas o estrago já estava feito. No fim da festa, Déborah usou o microfone para desculpar-se com o prefeito.

"Brinquei com coisa séria, mas já é um grande avanço termos o prefeito do Rio presente nos nossos eventos culturais - coisa que não tínhamos até pouco tempo", amenizou.

Confira abaixo a lista completa dos premiados:

CURTA-METRAGEM

Curta-metragem - voto popular
"Um outro ensaio", de Natara Ney

Curta-metragem - júri
"Vento", de Marcio Salem

Prêmio especial do júri
"Geral", de Anna Azevedo

LONGA-METRAGEM

Melhor atriz coadjuvante
Gisele Fróes, "Vips"

Melhor ator coadjuvante
Jorge D'elia, "Vips"

Melhor roteiro
Marcelo Laffitte, "Elvis & Madonna"

Melhor montagem (edição)
"Boca do lixo", por Vânia Debs

Melhor fotografia
"Boca do lixo", por Adrian Terrido

Melhor documentário - voto popular
"Positivas", de Susanna Lira

Melhor documentário - júri
"Diário de uma busca", de Flávia Castro

Melhor atriz
Karine Teles, por "Riscado"

Melhor ator
Wagner Moura, por "Vips"

Melhor direção
Charly Braun, por "Além da estrada"

Melhor ficção - voto popular
"O senhor do labirinto", de Geraldo Motta e Gisella de Mello

Melhor ficção - júri
"Vips", de Toniko Melo

DOCUMENTÁRIO

Melhor documentário - voto popular
"Positivas", de Sussana Lira

Melhor documentário - júri
"Diário de uma busca", de Flávia Castro

MOSTRA NOVOS RUMOS

Paranã-Puca, Onde o Mar se Arrebenta, de Jura Capela

Fonte: Veja