quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Wagner Moura vai ao Senado pela regulamentação da meia-entrada



Um grupo de artistas, liderado por Wagner Moura, Gabriela Duarte e Beatriz Segall, desembarcou nesta terça-feira no Senado. Os artistas defendem a fixação de uma cota para a cobrança de meia-entrada em espetáculos e salas de cinema para garantir a redução dos preços dos ingressos.

O projeto que estabelece cota foi votado ontem na Comissão de Educação e Cultura do Senado e divide opiniões embora tenha o apoio do ministro Juca Ferreira (Cultura).

"Não somos contra a meia-entrada. O que defendemos é que tenha uma cota para a cobrança porque isso vai viabilizar a redução dos preços dos ingressos para todos", afirmou Wagner Moura.

"Se continuar como está, a tendência é de caos", disse ele.

A atriz Beatriz Segall disse que a Constituição Federal define que o Estado é que deve providenciar cultura para a sociedade e não os artistas.

"Nós somos da iniciativa privada e o que está acontecendo afasta o público e eleva os preços", disse ela.

O ator Odilon Wagner reiterou que a fixação de cota é a solução para viabilizar a redução de preços dos ingressos e até o aumento da produção cultural no país. "Se houver cotas, os preços podem cair em 30% a 40%", disse o ator.

A atriz Gabriela Duarte lembrou que atualmente cerca de 80% dos ingressos são vendidos como meia-entrada no país. De acordo com ela, o raro é alguém pagar a entrada inteira.

"Quando digo que pago inteira, as pessoas se surpreendem porque ninguém mais no país paga, aí o que acontece? Os preços ficam exorbitantes e irreais como ocorre", disse Gabriela Duarte.

Proposta

A proposta, em discussão na comissão do Senado, sugere a fixação de 40% de cotas, o controle será feito por um conselho, comandado pelo governo federal, que vai definir ainda sobre a possível venda antecipada dos ingressos.

A medida vai valer para espetáculos, salas de cinema e também eventos esportivos, incluindo museus e circos.

Os artistas apelam ainda para que a União, os Estados e o municípios arquem com um percentual como contrapartida para viabilizar a execução dos projetos culturais no país. Este item não está na proposta em discussão.

Representantes dos estudantes também participaram da sessão na comissão e são contrários à fixação de cota como o estabelecido no projeto em discussão no Senado.

Fonte: Folha Online
Texto editado por Andressa Santos