sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Wagner Moura quebra nariz de capitão da PM



O acidente aconteceu durante o treinamento para o longa "Tropa de Elite", em que o ator vive um capitão da polícia militar

Durante o treinamento dos atores para o longa “Tropa de Elite” de José Padilha, Wagner Moura quebrou o nariz do instrutor do elenco, o oficial da Polícia Militar, o capitão Paulo Storani. A informação é do jornal “Extra” de sábado, 8.

De acordo com o capitão Paulo Storani, os atores Wagner Moura, Caio Junqueria e André Ramiro- que vivem três oficiais no combate ao tráfico nos morros cariocas- foram levados ao estresse máximo em 20 dias de treinamento. Como Wagner durante essa fase não demonstrava a agressividade necessária ao seu personagem – o capitão Nascimento.
Wagner Moura tem um lado zen muito bem trabalhado. Storani usou a ‘psicologia’ e começou a gritar para o ator: “Você vai desistir! Pede para sair! Você não vai conseguir ser um ator em ‘Tropa de Elite’! Você não tem condições!", mas o Wagner não perdia a calma. Quando chegamos ao limite, eu botei ele de pé. Ele suando, tremendo... Comecei a falar da família dele e do filho que a mulher dele estava esperando. Quando Wagner atingiu seu limite emocional, o ator deu um soco no capitão, quebrando seu nariz. "Provoquei tanto, até que ele me agrediu. Esperava que ele me empurrasse, me desse um chute...Isso acontece, mas ele foi tão rápido que eu só consegui livrar meu rosto e deixei meu nariz na frente. Ele quebrou meu nariz com um soco”, lembra o capitão Storani. O militar conta que, mesmo provocado, Wagner demorou uma hora para reagir.

Mais tarde veio a justificativa do intérprete de Olavo em “Paraíso Tropical” ter tanta força. Além de lutar Jiu Jitsu, Wagner Moura também pratica boxe tailandês.

O instrutor dos atores do filme, fez uma descoberta, após ter o nariz fraturado: a habilidade de Wagner Moura, vem do fato de ator ser lutador de boxe tailandês.

“A produção não havia me contado isso. Eu nunca podia imaginar que um cara tão calmo como ele lutasse boxe tailandês.”

Fonte: Ego, Fuxico, Estrelando
Texto editado por Carol Monteiro