segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Elenco e autores se reúnem para último capítulo de Paraíso Tropical



Uma trama perfeita, com direito a muito suspense e um final que agradou a todos. Olavo (Wagner Moura) sagrou-se o grande vilão e Paraíso Tropical e termina a novela como o assassino de Taís (Alessandra Negrini). Um final que nem mesmo o elenco sabia, sequer desconfiava.

A equipe que gravou a cena, um dia antes dela ir ao ar, ficou tão surpresa quanto a maioria dos brasileiros que garantiram 56 pontos de audiência ao último capítulo do folhetim de Gilberto Braga e Ricardo Linhares.

"Foi surpreendente. Teve drama, lágrimas, amor. Vou sentir saudades", diz Glória Pires.

Estrela da história, assim como a maioria dos atores e toda a equipe técnica assistiu ao desfecho da novela na churrascaria Porcão Rio´s, na zona sul carioca, na noite de sexta-feira (28). Mesmo sendo a antagonista, Camila Pitanga fez da prostituta Bebel a personagem mais popular de "Paraíso Tropical", que teve um final repleto de "categoria".

"Os autores tiveram uma solução brilhante, colocaram a Bebel num contexto absolutamente dentro da nossa realidade, em meio a escândalos no governo e CPIs, tomara que haja uma observação, temos que ter um olhar crítico sobre isso", diz Camila a OFuxico.

A atriz, ao cumprimentar Gilberto Braga, um dos autores do folhetim, encheu os olhos d´água e exclamou um "muito obrigada".

Também satisfeita com o desfecho do assassino de Taís, Camila foi uma das poucas que acertou o palpite.

"Eu sempre intuí que era ele!", diz.

Tony Ramos, acompanhado pela mulher, Lidiane, recebeu elogios dos colegas pelas fortes cenas finais de Antenor Cavalcanti.

"Foi impactante, óbvio que adorei. Um final que realmente ninguém sabia, fascinante", destaca Tony.
Bruno Gagliasso, cujo personagem, Ivan, morreu pouco depois de ter a revelação de que era filho de Antenor, disse que este foi o mais importante trabalho de sua carreira.

"Estou feliz demais. Ivan é um marco na minha vida. Ninguém sabia dessa história!", diz Bruno, sob olhares da mulher, Camila Rodrigues.

Gilberto Braga considerou o resultado positivo.

"Para quem vai se sentir órfão, aviso: assistam Duas Caras! Demos o nosso melhor e acho que foi satisfatório. Estamos em clima de festa desde o dia em que gravamos o show do Milton Nascimento com toda a equipe presente. Pode ter parecido longo e chato, mas para nós foi extremamente gratificante. Estar com todo mundo reunido, as pessoas que contribuíram para esse sucesso. É engrandecedor", diz o autor ao site.

Fábio Assunção foi a ausência mais sentida na confraternização, assim como Chico Diaz. Vera Holtz e Guilhermina Guinle, cujas personagens acabaram como camelô e gari, respectivamente, foram efusivamente aplaudidas pelos colegas. Mas foi mesmo a dedicação, as expressões e a maestria de Wagner Moura que roubaram - de ponta a ponta - o último capítulo de Paraíso Tropical. O ator recebeu elogios de todos e resolveu ir logo embora para curtir o sucesso ao lado da mulher e do filho.

"Foi ótimo fazer esse personagem, sabia que ele seria especial. Só tenho a agradecer e pensar em descanso", diz Wagner.


Fonte: OFuxico, Babado e Ego