quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Depois de 'Tropa' e 'Paraíso', Wagner Moura e Fernanda Machado tiram férias merecidas



Atores sonham com os dias de descanso

Ele dividiu-se entre um policial violento e um mau caráter inescrupuloso. Ela, entre uma patricinha que sobre favelas para trabalhar em ONGs e uma jovem que decide entrar para a prostituição ao descobrir o verdadeiro pai. Donos de personagens intensos em "Tropa de Elite" e "Paraíso Tropical", Wagner não pensa em nada além das férias.

Menos de uma semana depois do fim da novela de Gilberto Braga, eles estiveram na tenda do Festival do Rio no último dia 2, para divulgar o longa de José Padilha. Falaram dos novos projetos, mas responderam em uníssono: qualquer coisa, só em 2008.

"Tive noites e noites de insônia, levava para casa toda aquela angústia da Joana", contou Fernanda, referindo-se à sua personagem na novela. "Quando ela descobriu que o Heitor não era seu pai, fiquei um mês com dificuldades para dormir".

Fernanda, 26 anos, 14 de carreira, prepara-se para voltar ano teatro no início do ano que vem. Vai fazer com Christiane Torloni o espetáculo "Brilho oculto", uma adaptação de Renato Borghi para "O Lobo de Rayban", encenada por Raul Cortez.

"Farei uma jovem que tem uma relação homossexual com uma atriz em decadência", contou Fernanda, acrescentando que já analisa dois roteiros de longa-metragens. "Mas até o fim do ano quero descansar com a minha família no Sul", disse a atriz, nascida em Maringá, no Paraná.

Olavo no teatro

O próximo trabalho de Wagner Moura também será no teatro. O ator vai atuar em "Hamlet", com estréia prevista para o ano que vem e direção de Aderbal Freire Jr. Mas agora ele também só quer saber de férias.

Ao falar sobre "Tropa de Elite", Wagner mencionou a dificuldade de fazer as cenas de violência de seu personagem, o capitão Nascimento.

"O filme exigia um registro documental, não permitia o fake e, para isso, tivemos cenas carregadas de muita emoção. Aquilo mexia com muita coisa ruim. Eu não sou um homem violento, não gosto de bater nas pessoas. Sou um homem pacífico", disse.

Fonte: Ego
Texto editado por Andressa Santos