sexta-feira, 24 de março de 2006

Os dez maiores atores do Brasil




Versáteis, marcantes, todos na ativa, eles têm no palco a sua casa, a sua obra, o seu momento maior.

1. Marco Nanini. Imbatível, uma unanimidade. Vai da comédia (O mistério de Irma Vap) ao drama (Quem tem medo de Virginia Woolf?), do musical (Pippin) ao experimental (Um circo de rins e fígados). Sabe tudo, e está no auge. Na foto, A morte do caixeiro viajante.

2. Paulo Autran. Desde a estréia, Um deus dormiu lá em casa, há mais de 50 anos ele mantém o alto nível em cada papel. É o ator mais premiado do teatro brasileiro.

3. Matheus Nachtergaele. Este aqui se arrisca, se joga, se entrega. Como em O zelador, de Pinter. Matheus tem energia e carisma de sobra em tudo que faz.

4. Juca de Oliveira. Parece vinho, pois melhora a cada ano. Vide Meno male e Caixa dois. Completo, ele costuma aliar trabalhos como ator, diretor e autor.

5. Antônio Fagundes. Tem feito bobagens comerciais, mas ainda é imprescindível. Palmas a seu Cyrano de Bergerac, dirigido pelo saudoso Flávio Rangel.

6. Luiz Melo. Trata-se da melhor cria do diretor Antunes Filho. Brilhou em peças como Gilgamesh. Agora Luiz Melo mantém o seu próprio teatro, em Curitiba.

7. Pedro Paulo Rangel. Nunca sai de moda, com um jeito especial de interpretar. E é uma simpatia. Ótimo em Sermão da Quarta-Feira de Cinza, de Antônio Vieira.

8. Ítalo Rossi. Nosso último ator barroco, ele criou estilo próprio, indo da gororoba ao caviar. Inesquecível em 4 x Becket, dirigido por Gerald Thomas. Anda sumido.

9. Cacá Carvalho. Faz um Jamanta insuportável na TV, mas no palco é um monstro. A atuação em Macunaíma foi um marco. Coleciona muitos prêmios e elogios.

10. Wagner Moura. Nosso caçula fez nome no cinema e na TV, mas foi nos palcos que se revelou. Excelente em Dilúvio em tempos de seca. Futuro garantido.

Fonte: JB Online