quinta-feira, 6 de outubro de 2005

Salário fixo

Engomadinho, de terno e gravata, Wagner Moura pouco lembra os bandidos encardidos que viveu em "Carandiru" e "O Homem do Ano" ou os nordestinos de fala arrastada de "Andando nas Nuvens" e "Deus é Brasileiro". Em 2003, por atuar em quatro filmes ao mesmo tempo, o ator passou a despertar a curiosidade do público. Pouco se sabia sobre aquele baiano de olhos amendoados que tanto aparecia na telona sem nunca ter sido apresentado ao público da TV.

"Ao contrário do que acontece com a maioria dos jovens atores, eu nunca tive uma vontade louca de fazer TV", disse Moura em 2003, no auge de sua trajetória cinematográfica.

Anos depois, o ator fala sobre a tela pequena com entusiasmo.

"É legal ter contrato com a Globo, com salário fixo e plano de saúde", disse, quando entrou para o elenco do seriado "Sexo Frágil", exibido em 2004. Aquele era apenas o tímido início de sua relação com a Globo.

Em 2005 o flerte entre ator e emissora virou caso sério: para viver um dos protagonistas de "A Lua Me Disse", a novela das sete, Moura chegou a recusar um papel em "Os Desafinados", novo filme de Walter Lima Jr.

"Minha atitude pode até parecer estranha para alguns, mas acho que o personagem pode abrir novos caminhos na carreira. É a primeira vez que não faço nordestinos ou o cara humilde. Gustavo é rico, é herdeiro de banco. Mas não sou galã só porque estou fazendo novela. Aliás, nem sou famoso. Galã é o Thiago Lacerda."

Fonte: Jornal de Jundiaí