segunda-feira, 27 de junho de 2016

Feliz aniversário Wagner Moura


Montagem feita pelo Oades Oliveira

Montagem feita pelo Oades Oliveira

Montagem feita pela Gabi Marques   



Felicidades para o baiano mais querido para nós.
Que continue brilhando em seus trabalhos e mostrando suas opiniões políticas tão necessárias neste momento. Feliz aniversário.

Paula.

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Em TV americana, Wagner Moura denuncia golpe com apoio da mídia no Brasil

Ator criticou cobertura "limitada" sobre o impeachment pela imprensa brasileira, que é "comandada por cinco famílias", e afirmou que a presidente Dilma Rousseff foi afastada "sem nenhuma razão"; situação causa "uma grande ruptura" na democracia, afirmou; Wagner Moura participou do talkshow de Chelsea Handler para divulgar a segunda temporada da série Narcos, da Netflix.



O ator Wagner Moura esteve no talkshow de Chelsea Handler para divulgar a segunda temporada da série Narcos, da Netflix. Na atração, Arianna Huffington afirmou que os editores da sucursal brasileira de seu site – o Huffington Post – sempre falavam bem dele. O artista, então, devolveu o elogio. “Eu acho que vocês estão fazendo um ótimo trabalho por lá, especialmente agora, já que a cobertura que a imprensa está fazendo sobre o que acontece é muito limitada”, disse.
Wagner ainda elogiou o jornalista americano Glenn Greenwald, do site The Intercept, ressaltando que ele faz um “trabalho sensacional sobre o que está acontecendo”. Na conversa, o ator se referia ao conturbado momento político do Brasil e, em especial, ao processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Apesar de não ter votado na petista, ele classificou a situação como “algo muito próximo a um golpe de Estado”. “Afastaram [Dilma] sem nenhuma razão. Democraticamente, é uma grande ruptura”, criticou.
Assista:

Fonte: brasil247

terça-feira, 14 de junho de 2016

Wagner Moura é entrevistado no talk show Chelsea

Programa já recebeu convidados como Ashton Kutcher, Megan Fox e Kate Hudson.


Na entrevista, Wagner vai comentar o sucesso da série produzida por José Padilha e Eric Newman e o que a nova temporada reserva para o personagem Pablo Escobar. Foto: Netflix/Reprodução

O ator Wagner Moura é a principal estrela brasileira da Netflix. Com a atuação em Narcos, deu mais visibilidade ao canal na América Latina e beliscou o mercado norte-americano com a história ímpar do maior traficante de drogas da região, Pablo Escobar. A interpretação foi agraciada com indicação ao Globo de Ouro. A trajetória no streaming e na carreira será visitada em entrevista a outra estrela do serviço, o talk show da apresentadora Chelsea Handler, em programa disponibilizado nesta quarta-feira (15).

As informações são de que os dois vão comentar o sucesso da série produzida por José Padilha e Eric Newman e o que a nova temporada reserva para o personagem de Wagner.

Essa não é a primeira vez que ele é convidado para um programa norte-americano. Wagner Moura já foi um dos entrevistados de outro talk show The Tonight Show, comandado por Jimmy Fallon.
A segunda temporada de Narcos, produção original do canal de streaming, estreia no dia 2 de setembro com dez episódios. O seriado apresenta a trajetória do narcotraficante que projetou a Colômbia como um dos maiores mercados produtores de cocaína no mundo.

O programa de entrevista Chelsea, original da plataforma, estreou em maio e veio com o propósito de se distanciar do modelo Chelsea lately, que foi ao ar de 2007 a 2014 no canal E!. Novos episódios ficam disponíveis no catálogo todas as quartas, quintas e sextas. Desde a estreia, Chelsea já recebeu convidados como Ashton Kutcher, Megan Fox e Kate Hudson.

Fonte: Diário de Pernambuco

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Estreia da Segunda Temporada de Narcos

A Netflix Brasil divulgou no seu canal do YouTube a data de estreia da segunda temporada de Narcos que será no dia 02 de setembro de 2016.




Por: Paula Andréia

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Wagner Moura participa de conversa entre atores para a Hollywood Reporter

Forest Whitaker, Wagner Moura, Rami Malek, Cuba Gooding Jr. Paul Giamatti e Bobby Cannavale

O ator Wagner Moura, protagonista da série Narcos, participou recentemente da tradicional mesa-redonda com intérpretes da revista Hollywood Reporter. A revista seleciona anualmente atores, atrizes, produtores, diretores e roteiristas de destaque para falar sobre seus trabalhos, no projeto intitulado Roundtable.
No caso, ele integrou o grupo de atores dramáticos que atualmente está em séries de TV ou serviços de streaming (como a Netflix de Narcos). Ao lado de Moura estiveram Bobby Cannavale, Paul Giamatti, Rami MalekForest Whitaker e Cuba Gooding Jr.
A longa entrevista incluiu memórias dos primeiros trabalhos, dificuldades com estereótipos, o peso da fama, objetivos futuros e as escolhas que cada um faz ao interpretar um personagem difícil.
 
A entrevistas do projeto Roundtable da Hollywood Reporter acontecem perto de premiações importantes. Os atores reunidos, incluindo Moura, são nomes fortes para uma indicação ao Emmy. Vamos torcer para o brasileiro ficar entre os indicados, que serão conhecidos dia 14 de julho!
A segunda temporada da série Narcos já está finalizada e o lançamento deve ocorrer no segundo semestre deste ano, provavelmente em agosto.
 Um trecho da entrevista de Moura pode ser visto aqui:

Por: Fabíola Cunha

Fonte: Cinema 10

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Texto de Wagner Moura é censurado em jornal

Estadão pede texto ao ator, mas ao citar o golpe, veículo não o publica



Por Wagner Moura
"Escrevi essa resposta-texto para jornalistas do Estado e da Zero Hora que queriam minha opinião sobre a extinção do Minc. O Zero Hora vai dar. O Estado se recusou.
A extinção do Minc é só a primeira demonstração de obscurantismo e ignorância dada por esse Governo ilegítimo. O pior ainda está por vir. Vem aí a pacoteira de desmonte de leis trabalhistas, a começar pela mudança de nossa definição de trabalho escravo, para a alegria do sorridente pato da FIESP, que pagou a conta do golpe.
Começaram transformando a Secretaria de Direitos Humanos num puxadinho do Ministério da Justiça. Igualdade Racial e Secretaria da Mulher também: tudo será comandado pelo cara que no Governo Alckmin mandou descer a porrada nos estudantes que ocuparam as escolas e nos manifestantes de 2013. Sob sua gestão, a PM de São Paulo matou 61% a mais. Sabe tudo de direitos humanos o ex-advogado de Eduardo Cunha, o senhor Alexandre de Moraes.
Mas claro, a faxina não estaria completa se não acabassem com o Ministério da Cultura, que segundo o genial entendimento dos golpistas, era um covil de artistas comunistas pagos pelo PT para dar opiniões políticas a seu favor (?!!!). Conseguiram difundir essa imbecilidade e ainda a ideia de que as leis de incentivo tiravam dinheiro de hospitais e escolas e que os impostos de brasileiros honestos sustentavam artistas vagabundos. Os pró-impeachment compraram rapidamente essa falácia conveniente e absurda sem ter a menor noção de como funcionam as leis (criadas no Governo Collor!) e da importância do Minc e do investimento em Cultura para o desenvolvimento de um país. É muito triste tudo. Ontem vi um post em que Silas Malafaia comemorava a extinção “do antro de esquerdopatas”, referindo-se ao Minc. Um negócio tão ignóbil que não dá pra sentir nada além de tristeza. Predominou a desinformação, a desonestidade e o obscurantismo.
Praticamente todos os filmes brasileiros produzidos de 93 para cá foram feitos graças à lei do Audiovisual. Como pensar que isso possa ter sido nocivo para o Brasil?! Como pensar que o país estará melhor sem a complexidade de um Ministério que cuidava de gerir e difundir todas as manifestações culturais brasileiras aqui e no exterior? Bradar contra o Minc e contra as leis (ao invés de contribuir com ideias para melhorá-las) é mais que ignorância, é má fé mesmo. E agora que a ordem é cortar gastos, o presidente que veio livrar o Brasil da corrupção e seu ministério de homens brancos, com sete novos ministros investigados pela Lava Jato, começa seu reinado varrendo a Cultura da esplanada dos Ministérios… Faz sentido. Os artistas foram mesmo das maiores forças de resistência ao golpe. Perdemos feio.
Acabo de ler que vão acabar também com a TV Brasil. Ótimo. Pra que cultura? Posso ouvir os festejos nos gabinetes da Câmara, nos apartamentos chiques dos batedores de panela, na Igreja de Malafaia e na redação da Veja: “Acabamos com esse antro de artistazinhos comprados pelo PT! Estão pensando o que? Acabamos a mamata da esquerda caviar! Chega de frescura! Viva o Brasil!” Trevas amigo… E o pior ainda está por vir."