domingo, 24 de janeiro de 2016

Denunciem: Perfil falso no Instagram

O Wagner Moura e o Rafael Barcellos (assessor de imprensa) precisam da nossa ajuda. Vamos ajudar? É o seguinte, tem um perfil no Instagram que está incomodando e fingindo ser o Wagner. Para que o Instagram exclua, precisamos denunciar a conta. Pode ser? O Wagner, o Rafael e nós do blog podemos contar com a ajuda de vocês? Quanto mais denúncias, mais rápido o Instagram vai agir! ;)

Vou dar passo a passo como faz, ok? 

1 ª imagem - Primeiro achar o perfil falso. Link: https://www.instagram.com/wagnermourareall/ ;


2ª imagem - Depois vocês clicam naqueles "três pontinhos" na direita e no alto (destacado de vermelho) e irá abrir um menu de opções, daí vocês clicam em "denunciar";



3ª imagem - Aí então abre outro menu e vocês clicaram em "Denunciar Conta";


4ª imagem - Clicar em "Este Perfil Está Imitando Alguém";


5ª imagem - Clicar em "Uma Celebridade ou Figura Pública";


6ª imagem - Vocês digitaram na caixa: Wagner Moura, e "submit".




Pronto, assim vocês ajudaram o Wagner a se livrar destas pessoas que insistem em criar perfis falsos.
Entenderam? Dúvidas? Tenho prazer em responder!


Paula Andréia

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

'Se nada mudar, matarão um El Chapo e surgirá outro', afirma Wagner Moura

RODRIGO SALEM
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE LOS ANGELES 

O ator Wagner Moura junto a sua mulher, Sandra Delgado, na entrada da cerimônia do Globo de Ouro


Uma semana após concorrer ao Globo de Ouro de melhor ator em série dramática por "Narcos" –troféu que ficou para Jon Hamm, de "Mad Men"–, Wagner Moura voltou a Los Angeles.
Agora para divulgar a segunda temporada do seriado, que pode ser uma das últimas para o brasileiro, já que o Pablo Escobar de verdade foi morto pela polícia colombiana em 1993, 18 meses após os eventos retratados no fim do primeiro ano de "Narcos".
"Estou preparado, mas ainda não sabemos se [a morte de Escobar] será nesta temporada", revela Moura. O brasileiro gravou quatro episódios da série e retornou à Colômbia para terminar, até maio, os seis capítulos restantes. Antes disso, encontrou a Folha, no domingo (18). 
Folha - Como foi a experiência no Globo de Ouro?
Wagner Moura - Não estava esperando que "Narcos" fosse ser indicado. Mas foi uma surpresa? Não. A TV está cheia de coisas boas, mas acho que a gente fez uma série muito boa e diferente. Sentei na mesa do Globo de Ouro tranquilo [risos].
Não passa nada diferente na cabeça de alguém que saiu de uma cidade pequena da Bahia se ver indicado em Hollywood?
Claro. Carreguei balde d'água na cabeça em Rodelas. Mas tenho trabalhado para isso. É o prêmio mais importante a que já fui indicado. Kevin Costner veio falar comigo. Muita gente me procurou.
Alguém de quem você é fã?
O diretor de "Juno", Jason Reitman. Ele disse: "A série é demais, e você está foda" [risos]. Respondi: "Também curto seu trabalho. Vamos trocar telefone?" [mais risos].
Já mudou algo já na sua carreira por causa de "Narcos"?
Não. Quando terminar a segunda temporada, vou dirigir "Marighella" no Brasil como planejado. Há pressão para estar mais em Los Angeles, mas não estou nessa. Se Jason Reitman me chamar para um filme, vou na hora.
Qual a grande diferença na nova temporada de "Narcos"?
Será mais focada nos protagonistas. Tata [Escobar, vivida pela mexicana Paulina Gaitán] terá mais destaque. É sobre Pablo fugindo e tentando manter a normalidade quando todos querem matá-lo.
Considera a indicação um "tapa na cara" porque reclamaram do seu sotaque no Brasil?
Sei o que fiz e tenho segurança. Não comecei ontem nesta parada, entendeu? Com indicação ou sem indicação, estou tranquilo. Fiz um trabalho maneiro e estou feliz com ele. Acho que podemos discutir Brasil, mas não sei se quero chegar a esse ponto. Estamos num momento no país em que nada pode dar muito certo hoje em dia. Sempre tivemos esse sentimento, mas hoje está mais presente que nunca. Ao mesmo tempo, sei que muita gente torceu por mim. Teve uma torcida que falou: "Esse cara é brasileiro, aprendeu uma língua, foi indicado ao Globo de Ouro e é nosso". Isso é o que vale.
Leu a entrevista de Sean Penn com o traficante El Chapo?
Não. Fui surpreendido porque saiu no dia do Globo de Ouro e várias perguntas ali foram sobre isso. Fiquei tão chocado como qualquer um. 
Acha que o artista pode se colocar no papel de um jornalista?
Acho que pode. Sean Penn pode fazer o que quiser. Tem um limite que o artista precisa responder, claro. Lembro que [o cineasta] João Moreira Salles, quando ajudou o [traficante] Marcinho VP, foi bastante criticado [Salles teria oferecido pagamento em troca da produção de um livro biográfico sobre o traficante]. É uma fronteira bastante delicada. Não julgo nenhum artista que vai a fundo para entender alguma coisa ou fazer sua arte. Particularmente, não me encontraria com um criminoso procurado.
Por quê? Receio pessoal?
Sim. Não quero me envolver com um cara procurado pela Justiça. Tenho certeza de que El Chapo é maneiro para a família e os amigos. O fato de ser responsável pela morte de muita gente não significa que não seja um ser humano complexo. Mas não me envolveria.
Acha que "Narcos" influenciou El Chapo a se aproximar de artistas para fazer um filme sobre a vida do traficante?
Acho que devem ter visto "Narcos", sim. Esses caras têm Netflix. E, no mundo criminal, El Chapo é o traficante mais conhecido depois de Pablo Escobar. Não sei, estou apenas especulando. No entanto, há algo mais profundo sobre isso. El Chapo foi preso, não sei quantas pessoas mortas em Sinaloa e Juaréz... Enquanto a política em relação às drogas não mudar, isso não vai acabar nunca. Vão matar um El Chapo e surgirá outro. Nada vai mudar e as pessoas vão continuar morrendo em países periféricos, produtores e exportadores de drogas. A política antidrogas que vem dos Estados Unidos é comprovadamente um fracasso e tem levado muitos jovens da América Latina à morte. 






segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Golden Globe 2016 - Wagner Moura

Wagner Moura e a esposa Sandra Delgado no red carpet do Golden Globe 2016.

The Official Wagner Moura Blog follows his career from the beginning, and we were very proud when we saw him at the Golden Globes last night. Just the nomination was very important for the world to know more about Wagner Moura. This year we'll have the second season of Narcos, and maybe a new nomination. Wagner is shining. He shines. Wagner will always shine! Thank you all!

Indicado ao Globo de Ouro ao prêmio de melhor ator em série dramática por seu personagem em Narcos, Wagner concorreu com algumas das maiores estrelas de Hollywood provando todo seu talento que não cabe mais só no Brasil.
O Blog Oficial Wagner Moura que acompanha sua carreira desde o início, o parabeniza pelo feito tendo a certeza de que oportunidades não faltaram para que Wagner leve esse e outros prêmios para casa.
Apenas a indicação já foi muito importante para o mundo conhecer o Wagner Moura. Este ano terá a segunda temporada de Narcos, e quiçá, uma nova indicação.
O Wagner está brilhando. O Wagner brilha. O Wagner sempre brilhará!
Obrigada a todos vocês!





Paula Andréia e Carol Monteiro

sábado, 9 de janeiro de 2016

Em entrevista a Fallon, Wagner Moura diz que pediu a mulher em casamento em Las Vegas

Por Marcelo Bernardes

Wagner Moura é entrevistado por Jimmy Fallon hoje à tarde, em Nova York (Foto: Douglas Gorenstein/NBC)

O ator Wagner Moura foi um dos entrevistados do programa “The Tonight Show Starring Jimmy Fallon”, o talk show de maior audiência da TV americana. A gravação aconteceu durante a tarde de sexta (8), no estúdio do prédio 30 Rock, do Rockfeller Plaza, sede da rede NBC. Como foi a segunda entrevista do programa, que começa às 23h35 nos Estados Unidos (2h35 no horário de Brasília) já era madrugada de sábado quando o ator baiano entrou no ar.
A entrevista durou menos de dez minutos. Moura riu muito, cativou o apresentador Fallon, que teve várias deixas para contra-atacar com seu humor mais mão leve do que a concorrência, e falou inglês com ótima pronúncia. O talk show número 2 dos Estados Unidos, o “The Late Show with Stephen Colbert”, da rede CBS, apresentava no mesmo horário uma inovação, a primeira transmissão ao vivo do programa, com a participação do ator Matthew Broderick. Geralmente, os talk shows de Nova York são gravados por volta das 17h e depois editados para caber no formato de uma hora, antes de serem exibidos no final da noite.
Fallon apresentou o nome de Wagner Moura a sua plateia dizendo que o ator está “incrível” em “Narcos”. “Woof! Ele é muito bom!”, disse Fallon, sendo aplaudido pelos espectadores.
O ator e cineasta Tyler Perry, o primeiro convidado da noite, também disse que “adorou” o seriado “Narcos”.
Depois de introduzir Moura, Fallon chamou o ator ao palco e o agradeceu profusamente por participar do programa. “Dude (cara), você está de brincadeira comigo?” respondeu Moura a Fallon. “É tão bom estar aqui!”

Fallon abraça Moura na entrada do ator no palco do programa. (Foto: Reprodução)

Em seguida, o ator ficou momentaneamente quieto, arrumando o cinto da calça, e Fallon fez uma brincadeira com o sumiço do entusiasmo inicial do ator: “Isso (tudo) era uma atuação?” “Não, não”, respondeu Moura, em tom de desculpas. Fallon emendou: “Por um momento achei que você tinha ido para um lugar sombrio”.
Moura contou a Fallon que vive no Rio de Janeiro e perguntou se o apresentador já tinha visitado a cidade. Fallon disse que não, enquanto algumas pessoas da plateia gritaram entusiasmadas. “A gente permite dois brasileiros por noite no programa. É uma regra da NBC. Desculpa aí. Estamos preparando para a Olimpíada”, brincou Fallon. A rede NBC detém os direitos exclusivos da transmissão da Olimpíada.

Fallon apresentando Moura ao público presente no estúdio. (Foto: Reprodução)

O apresentador quis saber da viagem que Moura fez à cidade de Las Vegas. “Ainda não tenho um entendimento (da viagem), ainda estou tentando entendê-la. É uma coisa muito diferente”, explicou Moura. O ator revelou que tentou jogar num cassino, mas que “não entendeu as regras”. Fallon perguntou se o ator nunca havia jogado no Brasil. “É proibido por lá”, explicou Moura. “Não sabia disso”, disse Fallon. E o apresentador zombou, antes dos dois caírem na gargalhada: “Então você fez a macarena, a dança proibida!”
Moura disse que tentou jogar o blackjack, mas teve que recorrer a ajuda de amigos, “pois a coisa não funcionou para mim”. O ator baiano contou que perdeu US$ 60 no cassino. Fallon caiu na gargalhada, chegando a cobrir o rosto com as mãos, com a quantia irrisória perdida pelo brasileiro. “Não, não, não. Nos Estados Unidos isso é dinheiro para o aperitivo, para o amuse-bouche (hors d’oeuvre). Isso nem é considerado jogar”.

Moura contou a Fallon sobre suas impressões da cidade de Las Vegas, a qual visitou pela primeira vez recentemente. (Foto: Reprodução)

O ator revelou, então, que pediu a mão da mulher, Sandra Delgado (sem mencionar o nome dela) com quem vive há 15 anos e tem três filhos, em casamento em Las Vegas. “Achei que seria cool, fazer essa coisa Elvis Presley”. “Isso me parece como uma má ideia!”, retrucou Fallon, querendo, em seguida, saber da resposta de Sandra. “Ela disse não! Disse que era uma coisa ridícula. O que você está pensando?” Fallon brincou: “Bem, ao menos, você tirou isso do caminho”.
Ao comentar a atuação de Moura em “Narcos”, um entusiasmado Fallon disse ao ator: “você está incrível” duas vezes, batendo o punho na mesa. “Não estava familiarizado com seu trabalho como ator, o que deveria. Mas em minha casa não tem canais brasileiros. Mas assim que terminei de ver “Narcos”, perguntei a mim mesmo: ‘quem é esse cara? Ele é incrível'”, comentou Fallon.

Moura ri , junto com a plateia do programa, de uma das piadas de Fallon (Reprodução)

Moura explicou a Fallon que a contratação dele para o seriado foi um “grande exemplo de miscasting”, usando a palavra em inglês que, no jargão na indústria do showbiz, significa erro de escalação. “Eu era super magro, 18 quilos mais leve, e não falava uma palavra em espanhol”, contou Moura. O ator disse que viajou para Medellín, Colômbia, antes mesmo da empresa Netflix contratá-lo, para aprender o espanhol. “Eu me matriculei num curso de espanhol para estrangeiros numa universidade e tinha aulas ao lado de adolescentes japoneses”. Fallon encerrou a entrevista após perguntar quantos quilos o ator engordou para o papel. No Brasil, este episódio do programa de Fallon será exibido na próxima sexta-feira, dia 15, à 1h, no canal GNT.
Leia aqui sobre a imprensa especializada americana apostando na vitória de “Narcos” e Moura no Globo de Ouro. Siga o @blogbaixomanhattan no Instagram.

Moura aperta a mão de Fallon ao final da entrevista. O apresentador elogiou várias vezes a atuação do brasileiro em “Narcos” (Foto: Reprodução)

O ator, produtor e diretor Tyler Perry disse que “adorou” o seriado “Narcos” (Foto: Reprodução)

Fonte: Folha de São Paulo

domingo, 13 de dezembro de 2015

Wagner Moura: 'Manobra sorrateira da bancada ruralista'

Senado se prepara simplesmente para modificar o conceito de trabalho análogo à escravidão. Medida leva ator a enviar carta ao presidente da Casa, Renan Calheiros.
Senado se prepara simplesmente para modificar o conceito de trabalho análogo à escravidão. Medida leva ator a enviar carta ao presidente da Casa, Renan Calheiros
por Marcelo Auler publicado 10/12/2015 13:59
ebc memória
Marcelo Auler Repórter – Até parece jogo de carta marcada. Enquanto a Câmara dos Deputados distrai a todos com os golpes baixos que seu presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e sua trupe aprontam, o Senado se prepara simplesmente para modificar o conceito de trabalho análogo à escravidão. Quase na surdina.
Esbarrou, porém, nos olhos atentos de três ativistas do combate deste tipo de exploração, cada qual no seu campo: o padre e professor universitário Ricardo Rezende; o jornalista Leonardo Sakamoto; e o ator Wagner Moura.
Pela previsão, nesta quinta-feira, exatamente no dia em que comemora-se os 67 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o Senado prepara-se para, em uma manobra da bancada ruralista, votar o projeto de lei que regulamenta a emenda constitucional 81/2014 (antiga PEC do Trabalho Escravo).
A lei, como lembra Sakamoto em seu blog – “Trabalho escravo: Congresso prepara mais um golpe contra trabalhadores” –  tem até aspecto interessante, como o confisco de propriedades em que esse crime (trabalho análogo à escravidão) for encontrado.
A questão, porém, é outra. Ao mesmo tempo em que incorpora uma antiga reivindicação dos movimentos em defesa dos trabalhadores – notadamente no campo, aonde a prática do trabalho análogo à escravidão é mais constante –  ela, porém, “retira a parte que protege a dignidade do trabalhador – o que vai facilitar a vida de empregadores flagrados com essa forma de exploração do ser humano”, lembra Sakamoto.
Pelo artigo 149, são elementos que determinam trabalho análogo ao de escravo: condições degradantes de trabalho (incompatíveis com a dignidade humana, caracterizadas pela violação de direitos fundamentais o que  coloca em risco a saúde e a vida do trabalhador); jornada exaustiva (em que o trabalhador é submetido a esforço excessivo ou sobrecarga de trabalho que acarreta a danos à sua saúde ou risco de vida); trabalho forçado (manter a pessoa no serviço através de fraudes, isolamento geográfico, ameaças e violências físicas e psicológicas); e servidão por dívida (fazer o trabalhador contrair ilegalmente um débito e prendê-lo a ele).
O projeto quer retirar os dois primeiros elementos da caracterização de trabalho escravo, as condições degradantes e a jornada exaustiva. Em mensagem encaminhada ontem (9) ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), Wagner Moura, que também atua como Embaixador da Boa Vontade junto à Organização Internacional do Trabalho (OIT), advertiu: “Trata-se de uma manobra sorrateira da bancada ruralista”.



sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Vai ter tempero baiano no Globo de Ouro 2016

Com maior alegria que conto que o Wagner foi indicado para o Globo de Ouro pela categoria "Melhor Ator em Série Dramática".
A série Narcos também concorre com a categoria "Melhor Série de Drama".
Agora é torcer e esperar o grande dia da premiação que será dia 10 de janeiro de 2016.

Estamos sempre na torcida! O Wagner merece o melhor sempre!







Por: Paula Andréia